Estar perto do mar deixa o seu cérebro mais feliz

Estar perto do mar deixa o seu cérebro mais feliz

Conhece os efeitos que uma simples ida à praia pode ter no seu cérebro e na sua saúde? Descubra já a seguir:

  • O córtex pré-frontal do cérebro é ativado

O córtex pré-frontal é uma área do cérebro, ligada às emoções e à autorreflexão, que é ativada quando ouvimos sons do oceano. Este facto foi comprovado por investigações científicas que contaram com participantes expostos a ruídos do mar.

  • As ondas dos oceanos geram íons negativos

Na praia sentimos uma sensação de tranquilidade que pode resultar das alterações moleculares nos nossos corpos. As ondas do mar produzem íons negativos, que aceleram a capacidade de absorvermos oxigénio e equilibram os níveis de serotonina (substância química ligada ao humor). Os cientistas associam a praia a uma energia mental positiva e sensação de saúde e bem-estar geral. Ir à praia pode mesmo ajudar a dormir melhor.

  • Os níveis da hormona do stress (cortisol) diminuem

Os sons mais relaxantes e agradáveis são os que têm padrões de ondas previsíveis, são suaves em volume e cujas frequências harmónicas sucedem em intervalos regulares.

Segundo Shelley Batts, o som do mar pode até ter um efeito mais profundo a nível emocional, podendo desencadear memórias profundas ou sensações de paz e segurança. Existem relatos de pessoas que dizem recordar os tempos no útero da mãe e os batimentos cardíacos da mesma.

A hormona do stress, o cortisol, pode ser ativada por ruídos como o trânsito e outros do género que costumam ser ouvidos na confusão própria das cidades. Quando esta hormona é libertada, podem surgir problemas de saúde como úlceras ou doenças cardíacas. O som do oceano ajuda a diminuir os níveis de cortisol, exercendo um efeito positivo na nossa saúde e evitando problemas graves.

  • A superfície plana do oceano acalma

A própria superfície plana característica do oceano também nos pode dar uma sensação de segurança. Porquê? O neurocientista Michael Merzenich explica que os seres humanos se sentem seguros em lugares que não são complexos. Por exemplo, na floresta é preciso fugir dos animais selvagens, nas cidades temos de ter cuidado com assaltantes, mas na praia podemos estar em paz de espírito sem fortes ameaças.

O neurocientista acrescenta ainda que “Somos construídos, neurologicamente, para normalizar o nosso ambiente e controlá-lo. Quando olhamos para o mar ou andamos ao longo da costa, estamos num ambiente previsível e estável”.

fonte:Partilhando