Picos de Surf no Litoral do Paraná

Matinhos

Praia Brava
A praia Brava é um beach break tradicional. Constante, o point funciona com ondulações de leste / sudeste e conta com direitas e esquerdas cheias no outside, cavadas no inside. O vento terral é do quadrante oeste. O pico fica bom com séries de até 1 metro. Maior do que isso, fecha muito. Os locais estão sempre na água e o crowd é constante.
Tamanho – 2 a 8 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste
Vento ideal – Quadrante Oeste
Grau de dificuldade – Média
Melhor época – Outono | Primavera
Constância – Alta

Pico de Matinhos
Famoso pico de direitas do litoral sul do Brasil e celeiro de grandes surfistas, o pico de Matinhos é muito procurado pela extensão de suas ondas. São direitas que dificilmente ultrapassam 1,5 metros e que rolam por muitos metros, paralelas às pedras. O vento terral é do quadrante oeste.
O point é constante e quebra com qualquer tipo e tamanho de ondulação. Fica maneiro mesmo nas bombas de leste / sudeste.

Tamanho – 1 a 10 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste
Vento ideal – Quadrante Oeste
Grau de dificuldade – Média
Melhor época – Outono | Primavera
Constância – Alta

MAPIM 
Dominada pelos turistas no verão e abandonada no inverno. Apresenta melhores condições com maré cheia e ondulação de Sudeste ou Leste. Grande parte da praia é de mar aberto, mas as melhores ondas quebram para a direita junto a um morro. Mesmo nos menores dias é surfável. Dificilmente quebra durante a maré seca.

RIVIERA e Balneários até Praia de Leste
Praia de mar aberto. As ondas são mais longas e cheias em comparação com os outros picos dessa área. As ondulações de Leste e Sudeste trazem as melhores ondas, mas quando o swell está grande a arrebentação quebra bem no outside exigindo um bom preparo físico.

PRAIA DE LESTE
Ao norte de MATINHOS. São quilômetros de praia bastante urbanizada com várias valas com nomes diferentes (Prive, Meio, Central). Fundo de areia onde as ondas variam de 2 a 6 pés com qualquer ondulação. O vento terral são de Noroeste e Oeste.

Canoas / Santa Terezinha / Ipanema / Shagrilá e outros balneários até Ponta do Sul
As ondas quebram nas mesmas condições de Praia de Leste, com relação ao vento e swell. O que muda um pouco é o fundo o que pode variar durante o ano influenciando no tipo da onda, mais cavada, mais no inside/outside.

Guaratuba

Praia Brava
A Brava é o melhor e mais constante point da região. O pico conta com valas de direita e esquerda espalhadas pela praia, segura bem as bombas e funciona com ondulações do quadrante leste. Os ventos bons são os do quadrante oeste.
A formação depende um pouco da maré e rolam uns tubos nas condições certas. É uma onda indicada para todos os níveis de surfistas.

Tamanho – 2 a 8 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste
Vento ideal – Quadrante Oeste
Grau de dificuldade – Alta | Média
Melhor época – Outono | Primavera
Constância – Baixa

Paraguaios
Localizado ao norte da Praia Brava (antes do Pico), Paraguaios é um beach break bem versátil, onde quebram todos os tipos de ondas.
Nos dias clássicos elas quebram para os dois lados com formação tubular e forte. Nos dias menores as ondas cheias são uma ótima opção para o longboard.
O crowd é grande, principalmente no verão, e o localismo é razoável. Tem esse nome por que o ex-presidente paraguaio Alfredo Stroessner, tinha uma casa no local.

Tamanho – 2 a 5 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste
Vento ideal – Oeste
Grau de dificuldade – Média
Melhor época – Primavera | Inverno
Constância – Alta

Coroados
A Praia dos Coroados é o último balneário da cidade ao sul da Praia Brava. Localizada a 10 quilômetros do Centro é uma praia com areia grossa e fofa.
O pico oferece ondas fortes e cavadas, que abrem para os dois lados nos dias clássicos.

Tamanho – 2 a 5 pés
Ondulação ideal – Leste
Vento ideal – Oeste
Grau de dificuldade – Média
Melhor época – Primavera | Inverno
Constância – Alta

Barra do Saí
Praia bem preservada e com um dos visuais mais bonitos da cidade. A Barra do Sai está localizada em Balneário Coroados, a última praia ao sul do estado.
A principal onda do pico é uma direita longa, forte e tubular, que quebra ao lado esquerdo da ilha Saí-Guaçu, bem em frente ao rio Saí-Guaçú, que desemboca no mar e marca a divisa entre os estados do Paraná e Santa Catarina.
Na maré seca é possível chegar até a ilha caminhando. Se estiver flat vale a pena colocar o SUP na água para dar uma remada pelas águas do rio.
A entrada é feita por um canal ao lado da ilha mas é necessário ter cuidado com as redes de pescadores.

Tamanho – 2 a 6 pés
Ondulação ideal – Leste
Vento ideal – Oeste
Grau de dificuldade – Alta
Melhor época – Primavera | Inverno

Central
Praia de areia fina e compactada, a Praia Central está localizada no centro de Guaratuba e é indicada para surfistas iniciantes, já que oferece ondas mais cheias e manobráveis com algumas seções de tubos.
O crowd é intenso durante o verão e nesta época o pico tem muitos banhistas na água.

Tamanho – 1 a 4 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste
Vento ideal – Oeste
Grau de dificuldade – Média | Baixa
Melhor época – Outono | Inverno
Constância – Média

Direitas
Direitas é um point break localizado atrás do Morro do Cristo, considerado por muitos a melhor onda da cidade.
Oferece uma onda forte e tubular, com seções bem manobráveis também. A onda quebra bem em frente à pedra do Pico e nos melhores dias conecta até as praias do Cristo e Central.
Exige bom preparo físico e não é recomendada para iniciantes, pois não há praia para saída em caso de perrengue, só pedras.
Geralmente funciona com swells grandes, mas tem seus dias de merrecas perfeitas também.
Há três maneiras de chegar ao pico: pulando das pedras, pela arrebentação da Praia do Cristo ou pelo canal do Pico.

Tamanho – 2 a 7 pés
Ondulação ideal – Leste
Vento ideal – Oeste
Grau de dificuldade – Alta
Melhor época – Primavera | Inverno
Constância – Baixa

Ilha do Mel

Praia de Fora
Outro pico muito constante do litoral do Paraná, a praia de Fora também conta com valas para os dois lados espalhadas por toda sua extensão. No canto sul, protegido do vento, a condição fica boa com ondulação de sul.
No canto norte, considerado o melhor da praia, o surf rola nas ondulações de leste. O vento terral é oeste.

Tamanho – 2 a 10 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste | Sul
Vento ideal – Quadrante Oeste
Grau de dificuldade – Média | Baixa
Melhor época – Outono | Primavera
Constância – Alta

Praia Grande
Considerado por muitos o pico mais constante do litoral paranaense, a Praia Grande da Ilha do Mel conta com valas para os dois lados espalhadas em toda sua extensão. O pico funciona com qualquer tipo de ondulação e segura bem as bombas.
Dependendo da direção do swell, o surf fica melhor em um ponto específico da praia. O canto norte, por exemplo, é protegido do vento e funciona com swell do quadrante leste. O meio da praia e o canto sul(canto da vó), quebram legal com swell do quadrante sul. O vento bom é do quadrante oeste.

Tamanho – 2 a 10 pés
Ondulação ideal – Sudeste | Leste | Sul
Vento ideal – Quadrante Oeste
Grau de dificuldade – Média | Baixa
Melhor época – Outono | Primavera
Constância – Alta

Paralelas
Localizada no lado norte do farol das conchas. Precisa de um grande swell de Sul ou Sudeste, quando quebra uma direita perfeita paralela as pedras em fundo de areia e pedra. As ondas chegam a até 6 pés (raramente passa disso) e a melhor época é durante o inverno. É protegida dos ventos de Sul(terral) e Oeste e a onda, quando esta perfeito, chega a abrir por mais ou menos 150 metros funcionando melhor na maré baixa. Os melhores tubos da Ilha rolam ali. Dica: para cair pelas pedras, deve-se conhecer bem o pico, caso contrário, entrar pelo mar. Quando tem onda o crowd é inevitável.

 Pontal do Sul